Januária

Ei, em seus estudos de história você conheceu a princesa Januária, filha de D. Pedro?

Bom, eu não conheci, só sabia da princesa Isabel, mas vejam só, rodando pelo Médio São Francisco, já aqui no norte de Minas, chegamos a Januária, terra onde a princesa tinha uma casa,com escravo e tudo. Ela devia andar muito por essas paragens. A princesa escolheu bem o lugar para ter uma casa, porque em Januária a paisagem é belíssima.

Foi aqui que navegamos rio adentro para conhecer um pouco mais do jeito de viver do povo do rio. O programa luz para todos chegou nas comunidades ribeirinhas. Onde os cabos de energia não conseguiam chegar, o governo enviou placas de captação de energia solar. Muito lindo este projeto.

O rio sofre com assoriamentos, as águas diminuem e os peixes fogem. Diz um pescador, que tempos atrás os peixes encalhavam na areia, de tanto que tinha. Hoje navega-se muito para conseguir um bom pescado. O rio da integração, tão importante para o país, não fica livre do esgoto, jogado pelas grandes empresas e pelas cidades, em suas águas.

Mas o rio continua ali, lindo! O espelho d’água reflete o rosto e a vida dos homens mulheres e meninos que vivem de suas águas. Veja a vida pelos olhos d’água:

Duna Trip em Natal e redondezas

Seja por relatos de terceiros ou porque simplesmente vimos em algum noticiário ou mesmo numa telenovela, a paisagem natural de Natal certamente está associada à imagem das dunas em nossas mentes. A identificação do local com as dunas é tão grande que elas inclusive dão nome à nova arena multifuncional que está sendo construída na cidade para a Copa do Mundo de 2014, a Arena das Dunas (erguida no lugar do Estádio Dr. João Cláudio Vasconcelos Machado, o “Machadão”).

Por isso mesmo, é impossível imaginar uma viagem a Natal que não inclua uma visita às dunas da cidade (ou ao menos uma deveria ser) e, sendo assim, por que não um roteiro só com as principais dunas da cidade? Uma espécie de “duna trip”, uma road trip por dunas? Aos interessados na ideia, aí vai uma breve sugestão de pontos a serem visitados.

Parque Turístico Ecológico Dunas de Genipabu

Dunas de Genipabu

Dunas de Genipabu

Provavelmente muita gente não saiba, mas o Parque Turístico Ecológico Dunas de Genipabu, conhecido simplesmente como Genipabu, não fica localizado na cidade de Natal, mas em Extremoz, na Microrregião de Natal (litoral norte). O que muita gente certamente sabe é que aqui se encontram as dunas mais visitadas da cidade e cujos passeios de bugue são os mais famosos.

O parque é uma área de proteção ambiental composta pela praia, lagoa e dunas, e aqui os passeios de bugue podem chegar a quatro ou cinco horas, incluindo um passeio geral pela região. O mais interessante é que o passeio pelas dunas de Genipabu apresenta modalidades das mais ecléticas: você pode dar uma volta de bugue, jegue, dromedário ou praticar o “esquibunda”, modalidade em que se sobe a duna para depois descê-la sentado numa prancha e desembocar na lagoa. Já na praia tem-se a opção de fazer passeios que vão da jangada ao jet-ski. Enfim, há opções para os mais variados gostos e estilos aos dispostos a encarar uma duna trip ou outros passeios.

Praia de Pipa

Falésias de Pipa

Uma praia tranquila marcada pela presença de uma vila de pescadores e localizada em Tibau do Sul, litoral sul, a 85km de Natal. A bela paisagem da praia de Pipa é marcada pela junção das dunas, falésia e vegetação, que a torna famosa na região. Para quem busca beleza e tranquilidade, esta pode ser a praia ideal para sua duna trip.

Morro do Careca – Praia de Ponta Negra

Morro do Careca

Morro do Careca

Localizada no litoral sul, a praia de Ponta Negra é a mais famosa e visitada de Natal e quando o assunto são as dunas, destaca-se o Morro do Careca, formado uma por uma duna cercada por vegetação. O morro de mais de 100m, além de conhecido por sua beleza, era famoso pela prática do “esquibunda”, mas foi fechado para visitação no final da década de 90 para proteger a vegetação que o cerca. Ainda assim pode ser apreciado pelos interessados em conhecerem este importante cartão postal de Natal.

Como se pode imaginar, Natal não é só feita de praias e dunas. Além de muitas outras atrações, a cidade apresenta uma boa infraestrutura turística e ao redor destas atrações você encontra bares, restaurantes e boas opções de hospedagem, como as encontradas no Royal Holiday Brasil. Sinta-se à vontade então para começar a planejar sua duna trip e ir a qualquer época do ano, já que o tempo em Natal é sempre bom.

Os Encantos da Cidade de Salvador

A Cidade de Salvador é bastante conhecida da maioria, seja pelas imagens do carnaval da cidade, seus principais cartões portais, músicas ou teledramaturgia filmada no local. A Cidade Baixa, no entanto, é menos popular, embora alguns pontos famosos de Salvador se localizem lá, como o Mercado Modelo e a Igreja do Bonfim.

A divisão de Salvador em Cidade Alta e Baixa pode ser também traduzida entre a diferença entre a Salvador turística e a não turística, mas aí vai um aviso aos desavisados: a Cidade Baixa pode ser menos turística, mas também é belíssima e guarda muitos encantos, a começar pela paisagem da Baía de Todos os Santos, que recepciona o visitante logo na chegada com uma das vistas mais deslumbrantes da cidade. A seguir, um pequeno roteiro para percorrer alguns pontos desta Salvador menos famosa.

Solar do Unhão

Solar do Unhão

O meio mais “famoso” de chegar à Cidade Baixa é certamente o Elevador Lacerda. A vantagem de descer pelo Elevador vindo da Cidade Alta (mais precisamente do Pelourinho) é a vista panorâmica que ele oferece, mas outra opção é descer de carro e apreciar a bela vista do Solar do Unhão, um conjunto arquitetônico histórico formado por um casarão, senzala, a Capela de Nossa Senhora da Conceição, aqueduto e cais privativo. Atualmente o casarão abriga o Museu de Arte Moderna da Bahia e a antiga senzala hoje é um restaurante.

Esta descida para a Cidade Baixa é marcada por uma belíssima paisagem marítima e aqui também se encontram alguns dos restaurantes mais famosos da cidade. Seguindo em frente encontra-se a saída do Elevador Lacerda, e, atravessando a rua, o Mercado Modelo, ponto mais famoso de venda de artesanato local. Logo atrás do Mercado Modelo, localizado inteiramente no mar, vê-se o Forte de São Marcelo, o único de planta circular do país. A construção de estilo renascentista fica localizada sobre um banco de arrecifes, a mais ou menos 300m da costa. Atualmente o forte encontra-se fechado à visitação, embora haja um projeto em andamento que prevê sua reabertura.

Feira de São Joaquim

Feira de São Joaquim

Este é um dos pontos mais famosos do chamado turismo alternativo em Salvador. Localizada no bairro do Comércio, a Feira de São Joaquim foi criada na década de 60 e é a maior feira livre da cidade, conhecida por sua diversidade (de produtos e pessoas) e abundância, além de muitas histórias. A feira ocupa ao todo 22 ruas e é composta por mais de sete mil comerciantes, que vendem desde frutas e artesanato até artigos para simpatias (como em toda boa feira popular). Há anos vem sendo discutido o tombamento da Feira de São Joaquim pelo Iphan, dada sua importância cultural para a cidade de Salvador, mas até agora a questão não foi definida.

Igreja do Bonfim

O Senhor do Bonfim é o santo com maior número de devotos na Bahia, logo, sua igreja é a mais famosa da região e a mais visitada. Um marco da devoção popular ao santo acontece na Festa e Lavagem anual da Igreja do Bonfim, no segundo domingo após o Dia de Reis (06 de janeiro). A Festa do Bonfim é de ordem católica, enquanto a lavagem é de caráter afro-religioso, mas as duas celebrações ocorrem harmonicamente, com a lavagem sendo realizada após a festa.

Festividades do Bonfim em frente à igreja

Festividades do Bonfim em frente à igreja

Para os mais religiosos, as festividades do Bonfim marcam o início simbólico do ano e muitos aproveitam o momento para pedir graças, agradecer ou cumprir promessas na data. A igreja é também famosa pelas fitinhas do Senhor do Bonfim, que ao serem amarradas no pulso simbolizam pedidos feitos.

Da paisagem natural, a centros de cultura e de fé, a rica Cidade Baixa maravilha seus visitantes.  Sua importância cultural vem sendo redescoberta recentemente, inclusive com projetos públicos para revitalizar a região e seu turismo, incluindo-a, por exemplo, no circuito de hotéis em Salvador. Por todas essas razões, vale a pena incluir no roteiro de viagem uma visita a esta região encantadora da capital baiana.

O retorno de Alice

Olá galera, voltei! Pensando melhor, quase voltei. Ainda não estou totalmente pronta, faltam umas coisinhas básicas.
Vou relatar em rápidas palavras o processo vivido por mim nestes meses de desaparecimento da rede.
Dia 02 de janeiro cheguei à fábrica de motor homes para ser preparada. Todos sabem, eu me apresentava sempre branca com enfeites laranja que desenhavam sonhos de uma Kombi viajante. Mas neste 02 de janeiro eu era completamente outra.
Logo que cheguei fui pintada de azul e sem muita dó cortaram a parte superior do teto, no lugar ganhei um teto retrátil, que amplia o espaço interno de minha parte traseira.
Ali, nos dois metros de carroceira fui feita casa, modelo bem similar ao que vocês ja conhecem com pequenas modificações daqui para ali.
A novidade do projeto é que levo uma proteção de alumínio para evitar problemas com o hidrovacuo quando viajar por areia alta ou encontrar barro e lama na estrada. Molões reforçam os amortecedores dianteiro e traseiro, tornando-me mais resistente ao peso que carrego. Sobre o teto uma placa solar faz com que a energia consumida na viagem seja limpa.
Ontem passei pelo teste do INMETRO, aprovadíssima!

Últimas da Alice

vou     novo

Um novo dono para Alice

adotada

Os carros como as pessoas têm histórias. A minha história começa semelhante a de qualquer Kombi: fui fabricada no interior da montadora da VW, em S. Bernardo do Campo e depois transportada para uma autorizada  em Curitiba, capital do Paraná. No ano que fui fabricada 2006, foi também o ano que fui comprada para trabalhar num supermercado. A juventude de um carro se mostra pelos quilômetros rodados e eu rodei 75.000 Km a serviço de transportar compras daqui para ali, de buscar verduras no CEASA etc. Numa manhã, o dono do supermercado resolveu renovar a frota e eu voltei para uma concessionária de carros usados. Fui colocada a venda pelo valor de R$ 20.000.00. Fiquei um tempo ali, a espera de que alguém me quisesse comprar.

Enquanto isso, em Florianópolis, um casal planejava viver dentro de um carro. O nome do casal era Maly (Marcelo e Lyane). Eles souberam de mim, gostaram e me levaram para Itu, no estado de São Paulo. Lá passei por uma grande transformação, ganhei blog e fui chamada de Kombi home. Fiquei um ano sob a chancela do casal que viajou comigo por dois meses mas ficaram grávidos tiveram que interromper a viagem e me colocaram novamente a venda.

Setembro de 2009. Sem saber que eu existia outro casal, dessa vez em S. Paulo, ansiava por deixar casa e sair viajando pelo mundo. Procuram pelo carro ideal e de repente, me descobrem na tela do computador. Apaixonam-se no primeiro olhar e decidem: “Viveremos por dois anos dentro desta Kombi”. Desse modo, voltei para S. Paulo, recebi o nome de Alice e viajei por um projeto que recebeu meu nome, este que você lê agora, no qual registrei o diário o diário de minha viagem.

Ah! Foram dois anos de muitas histórias, grandes alegrias, enfrentando perigos, subindo serra, descendo serra, visitando lugares que poucos vêem. Fui uma Kombi feliz. Ao final de dois anos, a travessia do projeto Histórias de Alice é concluída e fui novamente colocada a venda.

Procura-se um dono para Alice. Fiquei triste, mas entendi que sou uma Kombi especial, feita para fazer pessoas especiais felizes, nada de ficar guardada na garagem, nem de ser transformada em museu, ainda sou uma jovem casa e preciso rodar muitoooo.

Houve muitos interessados em mim, desde o momento que o anúncio foi postado na internet. Para todas as propostas a Inês sempre dizia: ” Quando o novo dono da Alice chegar saberemos.” Assim permaneci alguns meses fazendo viagens curtas e minha parte casa basicamente não estava mais em uso.

No feriado de 15 novembro recebemos uma proposta: um jovem casal de Santa Catarina, com um filhinho de um ano e cachorro me queriam para ser sua nova moradia. Tivemos a nítida sensação que meu novo dono havia chegado. As negociações correram tranquilas, sem estresse. Ontem, fui entregue para minha mais nova familia: o Rafael, a Caroline e o Luca. Vou passar por algumas alterações mais  logo, logo vou pegar a estrada novamente.

Ah! Aguardem meu novo visual: ele estará mais hippie e vou viver altas aventuras em companhia de um garotinho de 1 ano. Podem imaginar o que será vê-lo crescer à sombra de mim?

Quanto ao Projeto Histórias de Alice, ele continuará aqui, pronto para contar novas histórias. O casal se prepara agora para ganhar uma nova Alice que vai rodar o mundo. Abraços da Alice para o Franco e para a Inês, com desejos que sua nova Alice os faça tão felizes quanto foram dentro de mim. Até breve! Abraços da Alice que em breve será uma Kombi Hippie.

À procura de um novo dono…

Amigos, faz um tempão que não ando por aqui, né? Coisas de Kombi em retorno das estradas do Brasil para  S. Paulo. Cheguei a cidade grande com uma missão incrível: contar para meus seguidores, a história da viagem de Alice Brasil a dentro. Foi uma correria: exposições; palestras; entrevistas; pequenas viagens daqui para ali, logo ali.

Depois, fiquei no descanso recuperando minhas energias, fazendo as revisões necessárias para enfrentar a estrada novamente. Estou pronta! Mas dessa vez não devo acompanhar Franco, Inês e o Chico em sua próxima aventura. Eles se preparam para uma viagem mais longa e eu sou um bocado pequena para o que  prevêem. Para bem da verdade, eu, tipo minha personalidade, vai viajar com eles, mas minha parte carro-casa deve encontrar um novo dono que, quem sabe, me dê um outro nome e me leve para contar outras histórias.

Sou um carro acostumado a aventura. Minha parte mecânica está zeradinha. Tenho 142.000 quilômetros rodados. Ganhei motor novo aos 134.000 Km e também caixa de câmbio novinha em folha. Todo cuidado mecânico foi feito pela Belcar (concessionária da Volkswagen em Goiânia). Desse modo, creio poder  dizer que  sou uma Kombi modelo 2006, com apenas 8.000 quilômetros rodados. Depois da troca de motor, seguindo procedimentos de manutenção, o óleo da caixa de câmbio e do motor foram trocados em autorizadas aos 3000 Km e aos 5.000 Km.Meu motor novo

Meus pneus são novos, foram trocados em fevereiro de 2012, quando nos preparávamos para chegar ao Acre. A viagem foi abortada por causa da intensidade das chuvas na região.  Carrego 2 estepes também novos.

alice IMG_3246

Como sou carro e moradia do casal estou toda cuidada. Meus espaços internos reservam lugar para roupas, equipamentos de pesca, mapas, HDs e repartições especiais para transportar equipamentos eletrônicos como computadores e câmeras fotográficas. Além disso tenho roupeiro, armários de cozinha, geladeira-cooler, fogão náutica 1 boca, mesa, sofá-cama , televisão e banheiro químico. No lado de fora tenho dois chuveiros para banhos rápidos.IMG_3176 IMG_3203 IMG_3216 IMG_3227 IMG_3225 IMG_3237

Para ampliar o espaço de moradia e viver aquele acampamento em ambiente 5 estrelas, sou munida de  toldo, barraca e banheiro (este último feito pela Campings World) que entre outras coisas garantem  privacidade aos viajantes.

Alice - toldo

Para garantir conforto e privacidade: as janelas têm insulfilm e cortinas que fecham a casa à noite. As paredes são revestidas de isopor que funciona como isolante térmico e mantém o ambiente interno livre de ruídos externos.

IMG_3233

Ah! Quer saber meu preço? Com tudo o que lhe falei, estou à venda pela valor de apenas R$ 50.000,00. Uma bagatela, não? Porque não aproveita essa pechincha e me leva para morar com você? Além de carro-casa, sou uma Kombi carregada de histórias boas! Você não vai se arrepender.

Ao lado, na barra de menu do blog, pode-se averiguar  o histórico de minha parte mecânica e elétrica.

Bem, é isso. Se  quiser saber mais sobre mim e o novo momento que vivo, coloque uma mensagem aqui ou faça contato

Alice no Estadão

ESTADAO

Alice no Autoesporte 15/07/2012

Captura de Tela 2012-07-15 às 20.48.03

Clique na imagem abaixo para ver o programa.

Alice no AutoEsporte

http://www.facebook.com/photo.php?v=4045653311631

Captura de Tela 2012-07-06 às 22.19.27

21 destinos para relaxar

Campos do Jordão? Esqueça. A cidade paulista que mais recebe turistas em julho está fora deste roteiro, que traz os caminhos menos batidos para zerar o estresse no meio do ano. Escolha o seu e pé na estrada

REPORTAGEM – - 30/06/2012

Por Celso Masson e André Vargas

A bordo de uma Kombi apelidada de Alice, o fotógrafo Franco Hoff e sua mulher, Inês Calixto, rodaram 60 mil quilômetros em uma expedição pelo Brasil. Foram dois anos percorrendo caminhos pouco trilhados e registrando um país de belezas naturais, cores, rostos, costumes e sabores. O resumo desse périplo está em 22 fotos expostas até o final de julho na Ímã Foto Galeria, na Vila Madalena. Nós, da reportagem de Época SÃO PAULO, não fomos tão longe quanto Franco e Inês. Nas próximas páginas, você acompanha nossas impressões colhidas em seis roteiros de escapadas ao redor da capital, pensados para ajudar você a escolher aquele destino de viagem que combina com o seu jeito. Pé na estrada.