A ida e a volta para Desemboque

Olá, meus amigos!
Demorei para voltar a contar minhas histórias né? Mas acontece que viajar pelo Brasil profundo é assim: de vez em quando apagam-se as luzes de energia elétrica, o telefone celular não funciona e computador com internet é algo que não existe. O que fica são as relações humanas, a luz do luar embriagada pelo orvalho e pela luz da fogueira improvisada em qualquer lugar.

Semana passada, estivemos em Desemboque, um lugar pequenino, berço onde nasceu o triângulo mineiro. Incrivelmente lindo, porque é assim, um pouco de nada feito de tudo quanto é história.

IMG_2043

Lá o rio da Velha, conhecido rio Araguari, foi uma mina de ouro bastante explorada pelos BAndeirantes. Muitos negros lavaram cascalhos nessa terra. Eu pude passar por lá, onde os Bandeirantes extraiam o ouro. Coisa de louco!

Dizem que em Desemboque tinha tanto ouro que até construiram um cacho de banana todo feito de ouro. Pode imaginar coisa assim? A verdade é que os bandeirantes transportavam o ouro que seguia viagem para Portugal, em carro de bois. Eu até que acreditei nisso, depois de ver as crateras escavadas e a montanha de cascalhos lavados que se sobrepõem ao lado.

Assim, feito de muitas histórias, é o Desemboque. Terra do ator Lima Duarte e local onde vivem ainda alguns dos descendentes do Cônego Hermógenes, fundador da cidade de Uberaba e Sacramento.

Bem, bem… Lá em Desemboque fiquei estacionada bem perto da Igreja de Nossa Senhora do Desterro. Linda de morrer! À noitinha, o por do sol transformava aquela paisagem em algo para se contemplar.

Igreja dos brancos Desemboque-10x15IMG_1623

Mas não pense que o Desemboque foi só sossego. Para chegar lá, cortei muito pó… Coff!! Coff!! Perdi minha placa demonstrativa e
vivi feliz com anfitriões que fizeram história comigo: Sr. Paulo e sua esposa Dinorá; o Sr. Nenê garimpeiro grande veterano da segunda guerra mundial; com a professora Adriana; com a Cidinha, Edgar e Maria e com todas as crianças da escola. Foi demais!

IMG_1794IMG_1685

Agora a volta foi incrível! Franco e Inês decidiram atravessar o parque Nacional da Serra da Canastra. Galera!!!! Eles estão me confundindo com um 4×4. Uff! Puff! Puff! Dei conta de tudinho, sabiam?

quando deixamos o portão do Parque, e já pertinho de Desemboque, demos uma paradinha para eu poder me recuperar, afinal, ninguém é de ferro, né?

Até a tarde, o Franco disse que colocará fotos lindas para vocês olharem. Agora me vou!

Ah! Depois de 25 de viagem, Franco e Inês receberam hospedagem no Hotel CAnastra, em São Roque de Minas. Nosso anfitrião, o Sr. José de Assis, foi generoso e se prepara para nos presentear com muitas histórias.

O Hotel Canastra é bem central. Um lugar ótimo para se hospedar.

Fuiiiiiii. Biiiibbiiiii! Fommmmmmmmm!!! Fommmmm!!!

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*