TransAmazônica

Ela é gigante, desafiadora. Eu sou só uma kombi, mas ainda outro dia matei minha vontade de rodar pela TransAmazônica. Viajei 50 Km no sentido Marabá/Altamira e outros tantos no sentido Tocantins. Demais!

IMG_8809 IMG_0038

Na minha ingenuidade, eu a imaginava uma BR pouco transitável devido às condições da estrada, mas que nada, o trânsito é intenso e o calor também.

Como não sou dotada de ar condicionado, nas poucas horas que viajamos por ela me transformei numa sauna. Isso porque no sentido Marabá/Altamira, não tem pavimentação. Os caminhoneiros que já conhecem o trecho, passam velozmente levantando nuvens de poeira.

IMG_8800

Ao longo da rodovia, povoados, cidades, municípios. Tudo muito pequeno para os padrões do sudeste e sul, mas com infraestrutura. Vans e ônibus ligam uma cidade a outra.

IMG_0016

Já no sentido Marabá/Tocantins, bate um desespero sair da cidade pelos apertados desvios. Pense num labirinto com muitos carros. É isso aí. Depois da cidade,  grande parte da Transamazônica está pavimentada e, se considerada com alguns trechos de outras rodovias, como a PA 150, ela está em boas condições. Algumas partes sem asfalto, oferecem riscos pelo intenso movimento e por causa da poeira. Quando um caminhão faz ultrapassagem ou cruza pela gente, a visão fica totalmente comprometida por causa da poeira, que levanta alta e espessa e demora prá abaixar.

IMG_0085

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*