Os Encantos da Cidade de Salvador

A Cidade de Salvador é bastante conhecida da maioria, seja pelas imagens do carnaval da cidade, seus principais cartões portais, músicas ou teledramaturgia filmada no local. A Cidade Baixa, no entanto, é menos popular, embora alguns pontos famosos de Salvador se localizem lá, como o Mercado Modelo e a Igreja do Bonfim.

A divisão de Salvador em Cidade Alta e Baixa pode ser também traduzida entre a diferença entre a Salvador turística e a não turística, mas aí vai um aviso aos desavisados: a Cidade Baixa pode ser menos turística, mas também é belíssima e guarda muitos encantos, a começar pela paisagem da Baía de Todos os Santos, que recepciona o visitante logo na chegada com uma das vistas mais deslumbrantes da cidade. A seguir, um pequeno roteiro para percorrer alguns pontos desta Salvador menos famosa.

Solar do Unhão

Solar do Unhão

O meio mais “famoso” de chegar à Cidade Baixa é certamente o Elevador Lacerda. A vantagem de descer pelo Elevador vindo da Cidade Alta (mais precisamente do Pelourinho) é a vista panorâmica que ele oferece, mas outra opção é descer de carro e apreciar a bela vista do Solar do Unhão, um conjunto arquitetônico histórico formado por um casarão, senzala, a Capela de Nossa Senhora da Conceição, aqueduto e cais privativo. Atualmente o casarão abriga o Museu de Arte Moderna da Bahia e a antiga senzala hoje é um restaurante.

Esta descida para a Cidade Baixa é marcada por uma belíssima paisagem marítima e aqui também se encontram alguns dos restaurantes mais famosos da cidade. Seguindo em frente encontra-se a saída do Elevador Lacerda, e, atravessando a rua, o Mercado Modelo, ponto mais famoso de venda de artesanato local. Logo atrás do Mercado Modelo, localizado inteiramente no mar, vê-se o Forte de São Marcelo, o único de planta circular do país. A construção de estilo renascentista fica localizada sobre um banco de arrecifes, a mais ou menos 300m da costa. Atualmente o forte encontra-se fechado à visitação, embora haja um projeto em andamento que prevê sua reabertura.

Feira de São Joaquim

Feira de São Joaquim

Este é um dos pontos mais famosos do chamado turismo alternativo em Salvador. Localizada no bairro do Comércio, a Feira de São Joaquim foi criada na década de 60 e é a maior feira livre da cidade, conhecida por sua diversidade (de produtos e pessoas) e abundância, além de muitas histórias. A feira ocupa ao todo 22 ruas e é composta por mais de sete mil comerciantes, que vendem desde frutas e artesanato até artigos para simpatias (como em toda boa feira popular). Há anos vem sendo discutido o tombamento da Feira de São Joaquim pelo Iphan, dada sua importância cultural para a cidade de Salvador, mas até agora a questão não foi definida.

Igreja do Bonfim

O Senhor do Bonfim é o santo com maior número de devotos na Bahia, logo, sua igreja é a mais famosa da região e a mais visitada. Um marco da devoção popular ao santo acontece na Festa e Lavagem anual da Igreja do Bonfim, no segundo domingo após o Dia de Reis (06 de janeiro). A Festa do Bonfim é de ordem católica, enquanto a lavagem é de caráter afro-religioso, mas as duas celebrações ocorrem harmonicamente, com a lavagem sendo realizada após a festa.

Festividades do Bonfim em frente à igreja

Festividades do Bonfim em frente à igreja

Para os mais religiosos, as festividades do Bonfim marcam o início simbólico do ano e muitos aproveitam o momento para pedir graças, agradecer ou cumprir promessas na data. A igreja é também famosa pelas fitinhas do Senhor do Bonfim, que ao serem amarradas no pulso simbolizam pedidos feitos.

Da paisagem natural, a centros de cultura e de fé, a rica Cidade Baixa maravilha seus visitantes.  Sua importância cultural vem sendo redescoberta recentemente, inclusive com projetos públicos para revitalizar a região e seu turismo, incluindo-a, por exemplo, no circuito de hotéis em Salvador. Por todas essas razões, vale a pena incluir no roteiro de viagem uma visita a esta região encantadora da capital baiana.

Post a Comment

Your email is never shared. Required fields are marked *

*
*